26/09/2007 11:18

Clima seco exige cautela no momento de semeadura da soja

A aproximação da semeadura da soja (no final de setembro, início de outubro) está coincidindo com a falta de chuva e o clima seco em quase todo o País, o que preocupa pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), vinculada ao Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

De acordo com o pesquisador José Renato Bouças Farias, da Embrapa Soja, a semeadura da soja deve ser feita quando a chuva conseguir repor a reserva de água no solo. “Depois de um longo período de estiagem, é preciso cautela no momento da semeadura, para que o solo tenha recuperado sua boa condição hídrica”, defende Farias.

O pesquisador Ademir Henning, da Embrapa Soja explica que, se a semente não encontrar condições adequadas de umidade para germinar, ela vai gastar suas reservas, o que diminui o vigor e a germinação. “Além disso, em situações de estresse, a semente perde aminoácidos, carboidratos, que são fontes de alimento para fungos do solo. Esses fungos podem deteriorar a semente ou provocar morte prematura de plântulas (planta em fase inicial de germinação)”, diz.

Para proteger a semente contra o ataque destes fungos, é indicado o tratamento das sementes com fungicidas. A indicação da pesquisa é para o uso de produtos que tenham em sua formulação fungicidas de contato (thiran, tolyfluanid, captan,), que são mais eficientes no controle de fungos de solo. “A tecnologia pode assegurar populações adequadas de plantas, quando as condições climáticas são desfavoráveis à germinação e à rápida emergência da soja e, frequentemente, evitar ressemeadura”, garante Henning. “Também é importante adquirir sementes certificadas, que trazem pureza genética, alto vigor e germinação”, orienta.

Fonte: Midia Max News