26/03/2007 21:33

Ponta Porã:Vereadora cobra do Incra atenção para famílias

Maior atenção para as 45 famílias do grupo Sete de Setembro do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que estão no Assentamento Itamarati II foi cobrada pela vereadora Dulce Manosso (PSDB), em expediente encaminhado ao superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Mato Grossodo Sul, Luiz Carlos Bonelli.

A parlamentar justificou seu pedido apontando que as famílias ainda estão sobrevivendo em baixo da lona, “sem estrutura alguma, sem financiamento para plantio e para a construção de suas casas, sem rede de energia e água”. A reivindicação foi enviada pela Mesa Diretora ao Incra e deve receber resposta nos próximos dias.

ILUMINAÇÃO-Dulce Manosso pediu ainda, na mesma sessão, ao prefeito Flávio Kayatt (PSDB) e ao secretário de Obras e Infra-estrutura, Hélio Peluffo Filho, a troca de lâmpadas na esquina das Ruas Casturina Leite de Godoy e Rua Oclésio Martins e na Avenida Urumbela, altura do n.º 165.

Também pleiteou a colocação de luminárias na Rua Daniel Barbosa n.º 58 e Rua Maria Auxiliadora em frente à passarela, no bairro Maria Auxiliadora. A reivindicação foi feita pelos moradores daquela comunidade, entregue à vereadora pelo presidente da Associação de Moradores do Bairro Maria Auxiliadora, José Domingues.

ÁGUA- A parlamentar reiterou ao supervisor da Sanesul em Ponta Porã, Júlio César Pereira, com cópia ao secretário Hélio Peluffo Filho, a implantação da rede de água tratada no distrito de Sanga Puitã, lado esquerdo da BR-463 no sentido Ponta Porã-Dourados, feita através das indicações 540-05, 288-06 e 063-07de autoria da vereadora e que até o momento não foram atendidas.

“Esta vereadora foi novamente procurada por moradores que residem no lado esquerdo da BR-463, sentido Ponta Porã-Dourados, no distrito de Sanga Puitã, munidos de abaixo-assinado com mais de 98 assinaturas, datado de 18 de outubro de 2005, onde novamente solicitavam a implantação da rede de água tratada naquela localidade”, disse Dulce.

Ela disse estar preocupada com a situação porque alguns moradores ainda estão utilizando água desprovida de tratamento e, sendo assim, imprópria para o consumo humano. “Reitero esta indicação para o bem da saúde publica, umas vez que, já apresentamos estas reivindicações e não fomos atendidos”, reclamou a vereadora, que pediu atendimento da indicação “o mais breve possível”.


Fonte: Assesssoria