11/12/2018 13:01

Governo defende agricultura e turismo sustentável no Estado

Em audiência pública realizada ontem (10/12), na Câmara Municipal de Bonito, o secretário Jaime Verruck, da  Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), defendeu que os produtores rurais e empresários do setor de turismo de Bonito, Jardim e Bodoquena sejam estimulados a aderir a um programa de agricultura e turismo sustentável específico para a região, a fim de garantir o equilíbrio entre as atividades econômicas ali existentes e o meio ambiente.

“Temos de pensar em mais do que minimizar as chances de ocorrer novamente o problema de turbidez de água, como o que ocorreu há poucas semanas no Rio da Prata, e isso somente irá acontecer com a adoção de boas práticas. Vamos criar um programa para estimular os proprietários rurais e empresários a adotarem a agricultura e o turismo sustentável. São ações práticas, sem a interrupção da questão do recurso. Temos de definir a atuação objetiva de cada agente envolvido: Governo, produtor, empresário e cada um assumir o seu papel”, afirmou o secretário Jaime Verruck.

De acordo com o titular da Semagro, o Governo do Estado, por meio do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), vai priorizar a análise do Cadastro Ambiental Rural (CAR) das propriedades rurais de Bonito, Jardim e Bodoquena. “O objetivo é, por meio das informações do CAR, identificarmos a real situação na região para adotar soluções sustentáveis que garantam o bom andamento e sinergia das atividades econômicas como o turismo, agricultura e pecuária, sem prejuízo ao meio ambiente, em especial aos rios da região”, acrescentou.

Também foi anunciada pelo secretário Jaime Verruck a publicação de um decreto estadual, prevista para 1º de janeiro de 2019, que permite a conversão de multas ambientais em ações prioritárias do órgão ambiental. “Já temos o texto praticamente definido e estudaremos a possibilidade de eleger, neste momento, Bonito como município prioritário a ser beneficiado por esses pagamentos. Na prática, é um desconto para o produtor rural com autuação ambiental, que poderá quitar esse débito”, informou.

O secretário também afirmou que “nessa semana, vamos publicar uma regulamentação para esses municípios (Bonito, Jardim e Bodoquena), para que todos os produtores que apresentarem ao Imasul uma solicitação de uso alternativo do solo, obrigatoriamente apresentem também um projeto de conservação de solo e de microbacia”.

A Audiência Pública “Medidas para minimizar o turvamento dos rios da região de Bonito” foi promovida pelo SOS Serra da Bodoquena Câmara Municipal de Bonito e Ministério Publico. Participaram também o secretário adjunto da Semagro, Ricardo Senna, o diretor-presidente do Imasul, Ricardo Eboli, demais autoridades públicas, produtores rurais e sociedade.

Ações do Governo no Rio da Prata

Em 22 de novembro, o Imasul notificou os donos de duas propriedades rurais lindeiras ao Rio da Prata, em Bonito, que passaram por manejo do solo recentemente para plantio de soja. Nessas áreas os técnicos não detectaram a construção de curvas de níveis, barreiras indispensáveis para impedir a erosão, o que pode ter causado o carreamento de sedimentos e deixando turva a água do Rio da Prata. A Agesul também já trabalha na manutenção de estradas da região, construindo barreiras chamadas “bigodes”, que servem para quebrar a velocidade e direcionar as águas pluviais para bacias de contenção.

Quanto às duas propriedades, especificamente, que foram notificadas pelo Imasul, os produtores terão que executar as curvas de nível imediatamente. As curvas de nível são técnicas ideais para evitar a erosão do solo, assegurou Fernando Nascimento. No município de Novo Horizonte do Sul surgiram inúmeras crateras no verão passado que causaram transtornos e prejuízos enormes. O governo desenvolveu um projeto piloto de execução de curvas de nível para demonstrar a eficiência da prática.

Fonte: Dourados News