19/09/2007 08:12

Adiado casamento de Beira-Mar por tempo indeterminado

Adiado, por tempo indeterminado, o casamento do traficante Luiz Fernando da Costa, Fernandinho Beira-Mar, com Jacqueline Alcântara de Morais. A data prevista era amanhã, 20 de setembro, dentro do presídio federal de Campo Grande, mas a divulgação do caso aborreceu o casal, que quer despistar a imprensa da nova data para a cerimônia.

A cerimônia religiosa já foi autorizada pelo Departamento Penitenicário Nacional (Depen). A pendência era a cerimônia civil, que deveria ser feita por meio de procuração, já assinada por Beira-Mar no início de agosto. Em entrevista no dia 28 de agosto, o advogado Edir Nascimento, que defende o traficante no processo que tramita na Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, disse que se “tudo desse certo”, a data já havia sido definida: 20 de setembro.

O adiamento não teria sido conseqüência de qualquer problema relacionado a documentação do registro civil de casamento. O motivo seria a grande divulgação pela imprensa de que Beira-Mar iria se casar em cerimônia religiosa dentro do presídio federal, com direito a três horas de lua-de-mel. O traficante teria pedido sigilo sobre casamento, alegando se tratar de assunto privado. A nova data ainda não foi marcada e não será divulgada, justamente para evitar a presença da imprensa.

Jacqueline tem visitado regularmente o noivo, viajando 1.535 quilômetros de carro, algumas vezes, uma vez por semana. Em entrevista concedida ao portam TV Morena, Nascimento diz que não sabe se a futura esposa de Beira-Mar tem intenção de montar uma residência em Campo Grande, a exemplo que fez em Catanduvas (PR), durante o período em que o traficante esteve no presídio federal daquele município. “Ela trabalha no Rio de Janeiro, mas por questão de economia, para não ficar sempre em hotel, é uma possibilidade”, avaliou o advogado. Jacqueline e Beira-Mar estão juntos há 15 anos e têm três filhos.

Beira-Mar está preso desde o dia 19 de abril de 2001, quando foi recapturado em Marandua, Departamento de Vichada, na Colômbia. O traficante foi levado para unidade prisional de Bangu I, no Rio de Janeiro e a partir de 19 de julho de 2006 foi enquadrado no regime presional federal, em Catanduvas (PR). No dia 25 de julho de 2007, ele foi levado para presídio federal de Campo Grande (MS).

Fonte: TV Morena