21/09/2007 12:54

Periscópio “Estou envergonhado” por Antonio Luiz


 Estou envergonhado

             No dia 11 de setembro, véspera da seção que decidiria o futuro do escroque presidente do senado Renan Calheiros – reparem que desde esse dia só escrevo “senado” com letras minúsculas, o que já é demasiadamente grande para a pequenez daquela “casa’ ou “zona” como preferirem – enviei três e.mails, um para cada senador do nosso Estado.

             Reproduzo aqui o teor de cada um. O primeiro foi para a senador Marisa Serrano, em quem votei e que foi relatora do processo contra Renan no Conselho de Ética e produziu um relatório pedindo sua cassação: “Senadora, sinto-me orgulhoso e honrado em votar na senhora. Seu trabalho no Conselho de Ética, assim como do senador Casagrande, foi irrepreensível. Deus a proteja e ao povo brasileiro dessas pessoas nocivas e que são um mau exemplo para nossos jovens”. No dia seguinte recebi a seguinte mensagem do gabinete da senadora “Obrigado pelas suas gentis palavras. Faremos sua mensagem chegar à senadora”. Pelo relatório e postura da senadora está mais do que evidente de que ela entendeu a posição do povo brasileiro que não agüenta mais tanta safadeza.

             O segundo e.mail foi para o senador Valter Pereira de quem eu havia ouvido declarações de apóia a Renan, o superpecuarista: “Senador Nós, aqui do MS, exigimos que seu voto seja pela moralidade e pela ética. Como jornalista faço questão de fazer campanha por atitudes cidadãs.

             Não nos desaponte. Um abraço e que Deus guie a sua consciência”. Como todos sabemos, o senador Valter Pereira votou pela absolvição do “rei do gado”. Na quinta-feira, dia 13, lhe mandei uma outra mensagem indignada: “Senador, o senhor é uma vergonha para o nosso estado. Só não é mais porque ninguém aqui lhe deu um voto sequer”. È verdade. O senhor Valter Pereira supostamente não teria que dar satisfações a quem quer que seja, pois está nos senado sem ter recebido um único voto. É suplente do saudoso Ramez Tebet [quanta diferença!]. Acontece que seu salário e suas mordomias são pagas com o nosso dinheiro. Moralmente ele teria que votar com quem lhe paga, mas moral parece não ser o forte daquela turma. Sei até que ele tem alguns amigos influentes aqui na cidade. Essas pessoas – algumas eu conheço – também devem estar envergonhadas. Ou, pelo menos deveriam. Mas cada um tem uma visão diferente das coisas e eu costumo respeitar a opinião alheia, mesmo não concordando.

             A terceira mensagem foi para o senador Delcídio Amaral: “Senador, mesmo não sendo petista sempre tive muito orgulho pelo seu trabalho frente a CPI dos Correios. Sei que o senhor é uma pessoa sensata e não decepcionará o povo sulmatogrossense na votação pela cassação do presidente desta casa. Vote pelo nosso estado. Vote por mim, pela minha família, pela moral, pela ética e cidadania. Deus o guie na hora H. Um abraço”.Até agora não sei como o senador Delcídio votou, afinal de contas ele é do PT. A revista Veja diz que ele talvez tenha votado pela cassação, mas partindo do senado nada é confiável. Basta lembrar que pelo menos 45 senadores já afirmaram peremptoriamente que votaram com o relatório que pedia a cassação, no entanto, o placar apontou apenas 35 a favor. Ou seja, além de covardes e corruptos o senado é um ninho de mentirosos.

             Segundo pesquisas, realizadas logo após esse dia trágico para a democracia, 92%, eu disse noventa e dois por cento, da população sentiu-se traída pelos nobres senadores. As manchetes nos telejornais, nas revistas e nos jornais praticamente usaram o mesmo adjetivo: “VERGONHA!”. O governo petista continua ignorando as mais elementares regras de moral ao ajudar um senador fraudador e mentiroso apenas porque precisa dele para aprovar medidas de interesse do próprio governo e não do povo brasileiro.

                Eu não quero mais pagar CPMF. Eu não quero que o meu dinheiro financie projetos sociais tipo “bolsa família” que são demagogos e eleitoreiros. Eu quero que o dinheiro que pago de impostos financie uma educação melhor para que não tenhamos mais de sessenta por cento da população com baixíssima escolaridade e que não consegue discernir entre o bem e o mal entre o bem intencionado e o safado, entre o certo e o errado e por isso descarregam seus votos em quem lhes deu uma merreca de esmola quando é melhor ensinar a pescar do que dar o peixe. Se eu fosse um pouco mais jovem, juro que iria embora desse país. Nunca na minha vida anulei um voto, mas daqui para frente é o que farei, pois estou morrendo de vergonha de ser brasileiro.

Fonte: A Gazeta News