27/03/2007 08:08

Amambai:Mortes colocam em cheque capacidade de diagnóstico

Vilson Nascimento

A morte de Juliana Medina Botto, a segunda de pessoas com sintomas semelhantes ocorridos em menos de 15 dias coloca em cheque a capacidade de se diagnosticar doenças em Amambai.

Dias atrás um rapaz de 17 anos morreu em condições semelhantes à morte de Juliana Medina. A exemplo da dona de casa, ele deu entrada no Hospital Regional com vômitos, dores de cabeça e dores na barriga, foi medicado e internado, apresentou quadros de melhora e foi liberado, mas em menos de 24 horas após receber alta seu quadro de saúde piorou e quando o rapaz retornou ao hospital conduzido por uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar, apresentou inchaço no abdome, vomitou um líquido vulgarmente conhecido como “borra de café” em momentos depois acabou morrendo.

A causa à morte apontada pela equipe médica também foi infecção generalizada e hemorragia interna, porém, a exemplo da dona de casa, não foi levantado o que teria provocado tal infecção e hemorragia.

Na época cogitou-se inclusive se tratar de “Dengue Hemorrágica” mas os testes laboratoriais realizados deram negativos para a doença. Informações, inclusive da família indicaram que o rapaz sofria de um tipo de Hepatite e tal doença poderia ter provocado a morte do jovem, porém até agora não saiu laudo oficial sobre o que provocou a morte do rapaz.

Dengue Visceral- As duas mortes registradas em Amambai apresentaram sintomas semelhantes aos sintomas de uma fase letal da Dengue, a “Dengue Visceral”.

Essa fase evolutiva da doença transmitida pela picada do mosquito Aedes Aegypti foi descoberta recentemente no país vizinho, Paraguai, onde já teria matado pelo menos 12 pessoas.

A doença ataca os órgãos internos, provocando diversos tipos de doenças, entre elas a Hepatite e é mortal para o ser humano. Segundo a direção o HR do adolescente morto dias atrás foi coletado amostras e os testes deram negativo para a Dengue, já da mulher nenhum material para exames mais aprofundados foi coletado.       



Fonte: A Gazeta News