24/06/2015 22:02

Reunião sobre invasões revela a tensão de produtores no Cone Sul

Promovida pelo Sindicato Rural de Amambai, o ato contou com a presença da Famasul, DOF, PM, Polícia Civil, ruralistas e autoridades locais e regionais.

Is allowance instantly strangers applauded
Nas fotos momentos da reunião. Invasões de terras por parte de indígenas causa preocupação e insegurança mo campo e representa um “nocaute” na economia da região de fronteira, no Cone Sul de Mato Gros

Vilson Nascimento

Uma reunião realizada na manhã dessa quarta-feira, dia 24 de junho, em Amambai com a presença da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), sindicatos rurais e autoridades locais e regionais, com o objetivo de debater o tema, demonstrou a tensão que a classe produtora da região atravessa por conta das invasões de terras por parte de indígenas no Cone Sul do Estado.

Nos últimos dois meses foram quatro invasões, uma no município de Paranhos no final de abril e três essa semana, uma entre Amambai e Coronel Sapucaia na segunda-feira, dia 22 e outras duas em Aral Moreira na madrugada dessa quarta-feira, dia 24 de junho.

Além do presidente da Famasul, Nilton Pickler, o presidente eleito da entidade, o médico veterinário Maurício Saito e o advogado da entidade, Dr. Gustavo Passarelli, a reunião, promovida pelo Sindicato Rural de Amambai (SRA) também contou com a presença do vice-prefeito de Amambai, Dr. Edinaldo Luiz Bandeira, que representou o Poder Executivo local na ocasião, do presidente da Câmara Municipal de Amambai, vereador Jaime Bambil Marques, do comandante da 3ª Companhia Independente de Polícia Militar, com sede em Amambai, Major Josafá Dominoni, do diretor do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), com sede em Dourados, Tenente Coronel Ary Carlos Barbosa e do delegado regional de Polícia Civil, Dr. Clemir Vieira Junior.

O advogado da Famasul, Dr. Gustavo Passarelli, passou aos produtores rurais a situação jurídica atual da questão de demarcações, que no ponto de vista do advogado tem avançado bem.

O clima já de apreensão passou a ficar mais tenso quando Dr. Gustavo argumentou sobre decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) por meio do ex-ministro Joaquim Barbosa, que suspendeu liminares de reintegração de posse de terras invadidas deferidas em primeira e segunda instância da Justiça Federal e relatou que a mesma linha de raciocínio vem sendo adotada pelo atual presidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski.

Revoltados com a falta de ação do Governo Federal e com a morosidade do Poder Judiciário brasileiro em relação a questão, produtores vítimas das ações das forças invasoras, que além da ocupação das terras, também causam destruição e grandes prejuízos aos proprietários das áreas ocupadas e aos funcionários, moradores nas fazendas ocupadas, produtores que tiveram suas fazendas invadidas fizeram desabafos emocionados.

Alegando a inércia do Estado e da União como um todo em relação a questão, alguns produtores mais exaltados chegaram a propor a formação de grupos para tirar a força os indígenas de áreas invadidas, mas foram contrapostos por parte dos próprios produtores que defendem medidas jurídicas e institucionais.

O diretor do DOF, Tenente Coronel Ary Barbosa, que no ato representava a Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul e o comandante da 3ª CIPM, Major Dominoni ressaltaram que as duas instituições não podem interferir direto na questão por se tratar de jurisdição federal, mas podem atuar no sentido de garantir a segurança na dos moradores da região.

O delegado regional de Polícia Civil, Dr. Clemir Vieira Junior relatou que a instituição, por meio do delegado titular da Delegacia de Amambai, Dr. Mikaill Gouveia Faria, adotou as medidas necessárias dentro de sua competência, que foi participar das negociações para a retirada do gado e dos pertences dos funcionários da fazenda invadida na segunda-feira, 22 de junho, na Fazenda Madama.

O vice-prefeito de Amambai, Dr. Luiz Bandeira, destacou a questão de invasão de terras em Amambai é uma preocupação da Prefeitura e a administração municipal está ao lado dos produtores rurais e apoiará a classe produtora em todas as ações que estiverem dentro da lei.

Esse foi o mesmo posicionamento do presidente da Câmara, vereador Jaime Bambil. “Não estamos contra os indígenas. Nosso posicionamento é contra as invasões de terras produtivas, que geram alimentos, emprego e renda em nosso município, inclusive beneficiando a própria população indígena”, disse o vereador.

Ao final da reunião parte dos produtores, mesmo com orientação contrária do Sindicato Rural e das autoridades presentes, decidiram por se reunir e se deslocar até a Fazenda Madama.

“Nosso papel enquanto Sindicato é dar toda a sustentação possível aos produtores no campo administrativo e jurídico e isso estamos fazendo. Se vocês decidirem ir até lá é por conta e risco de vocês”, disse o presidente do Sindicato Rural de Amambai, Diogo Peixoto da Luz.

O grupo foi até a propriedade rural e ocupou a sede da fazenda invadida e houve confronto.

A reunião dessa quarta-feira em Amambai também contou com a presença do presidente do Sindicato Rural de Caarapó, Antônio Maran, do presidente do Sindicato Rural de Iguatemi, Hilário Parise, presidente do Sindicato Rural de Tacuru, Maria Casagrande, representastes de outros sindicatos rurais da região, entre eles, Aral Moreira, dos vereadores de Coronel Sapucaia, Maria Eloir Vilante, Nájla Mariano, Carlos Magno Fernandes, o “Carlão” e Felipe Amado, além do presidente da Associação Comercial e Empresarial de Amambai (ACIA), Azor Assis e representantes de classes de Amambai e região.

Veja fotos da reunião e vídeos que revelam toda a atenção existente:

Fonte: A Gazeta News