Gazeta de Amambaí


Quarta-Feira, 18 de Julho de 2018 às 10:49

"Viagra do Himalaia": o fungo "afrodisíaco" mais caro que ouro

O yakasumba, fungo que cresce em corpo de lagarta de mariposa a altitudes de 3 mil a 5 mil metros, é coletado por moradores de vilarejos locais; em países como China e EUA, o grama é vendido a U$ 100.

Clique na Imagem para ampliá-la

O yakasumba responde por 56% da renda anual dos moradores desses vilarejo (Foto: Reprodução BBC)

Para alguns, não passaria dos restos de uma lagarta. Mas, para muitas outras pessoas, trata-se de um produto extremamente valioso e cada vez mais escasso. Confira o vídeo.

O yakasumba é um fungo que cresce em altitudes de 3 mil a 5 mil metros e só é encontrado na região dos Himalaias - em regiões como Nepal, Índia, Butão e no Tibete.

Ele se forma quando o fungo, na terra, ataca e disseca uma lagarta. Especialistas em medicina tradicional dizem que ele é eficaz contra impotência, asma e câncer.

Esse efeito torna o Yarsagumba, também conhecido como o 'Viagra do Himalaia', mais valioso do que ouro.

Um quilo do fungo pode custar US$ 100 mil (R$ 386,3 mil), mais do que o dobro dos US$ 40 mil cobrado pelo quilo de ouro.

Isso faz com que, entre maio e junho, vilarejos nos Himalaias fiquem desertos - seus moradores foram para as montanhas coletá-los.

Mas trabalhar a essas altitudes é perigoso.

 

“É muito frio aqui. Às vezes, somos pegos pela chuva. Já enfrentamos avalanches algumas vezes”, conta

 

Cada um rende de US$ 3,50 a US$ 4,50 para os moradores dos vilarejos.

 
Um quilo do fungo pode custar US$ 100 mil (R$ 386,3 mil) (Foto: Reproduçao BBC)Um quilo do fungo pode custar US$ 100 mil (R$ 386,3 mil) (Foto: Reproduçao BBC)

Um quilo do fungo pode custar US$ 100 mil (R$ 386,3 mil) (Foto: Reproduçao BBC)

Depois, o fungo é exportado para países como China, Cingapura, Estados Unidos, Reino Unido, Coreia, Japão, Mianmar e Tailândia, onde um grama do yakasumba pode custar até US$ 100.

O yakasumba responde por 56% da renda anual dos moradores desses vilarejos.

 

“Graça ao yakasumba, posso comprar roupas novas. Tenho dinheiro para visitar Katmandu e não dependo de ninguém financeiramente”, diz Sita Gurung.

 

Mas especialistas alertam que o yakasumba está cada vez mais escasso por causa do excesso de colheita e do aquecimento global.

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Saúde

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.