Gazeta de Amambaí


Terça-Feira, 03 de Julho de 2018 às 13:28

Vírus similar ao da herpes pode ser usado para fortalecer organismo de infecções, diz estudo

Cientistas mostram que infecção por citomegalovírus tem o poder de deixar o sistema imune em alerta. Eles acreditam na possibilidade da criação de uma vacina especial para fortalecer idosos.

Em estudo experimental, cientistas demonstraram que o citomegalovírus (CMV), na verdade, fortalece o sistema imunológico ao invés de enfraquecer as defesas do organismo. Similar ao vírus da herpes, o CMV tem o poder de ficar latente e, por isso, consegue ativar constantemente as defesas do organismo -- que fica mais resistente a novas infecções.

O estudo foi publicado no PNAs (Proceedings of National Academy of Sciences) e teve como um dos autores Janko Nikolich-Zugich, co-diretor do Centro de Envelhecimento da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.

Cientistas acreditam que a descoberta possibilite a criação de uma vacina para proteger idosos de infecções -- já que o sistema imunológico tende a ficar mais debilitado com a idade. Por esse motivo, por exemplo, pessoas acima de 60 têm prioridade para receber a imunização contra a gripe.

O que os pesquisadores descobriram agora é que essa debilidade pode ser modificada. O sistema imune tem potencial para voltar a ficar em alerta, se ativado adequadamente.

O que é o citomegalovírus (CMV)

Do mesmo grupo do vírus da herpes, o CMV fica latente no organismo e, na maioria dos casos, não provoca sintomas
Quando ativo, provoca febre, inchaço na barriga e dores, dor de garganta e cansaço excessivo. Não há cura.
Na gestação, a infecção pode deflagrar casos graves em fetos (microcefalia, deficiência mental, paralisia e convulsões)

 

Vírus ajuda sistema a recrutar células de defesa

 

Para chegar a essa conclusão sobre o CMV, o grupo de Nikolich--Zugich fez um experimento em camundongos. Parte das cobaias foi infectada com o citomegalovírus -- e parte não.

Dentre os resultados, cientistas observaram que os camundongos com CMV recrutavam mais facilmente as células T para lutar contra infecções as quais foram expostos durante o estudo.

 

 

"Ficamos completamente surpresos; esperávamos que esses ratos [com CMV] ficassem em pior situação após a exposição a infecções" diz Megan Smithey, pesquisadora da Universidade do Arizona, em nota.

 

 

"Mas eles tiveram uma resposta mais eficaz."

 

 
O pesquisador Janko Nikolich-Zugich, que coordenou o estudo  (Foto: UA College of Medicine - Tucson)O pesquisador Janko Nikolich-Zugich, que coordenou o estudo  (Foto: UA College of Medicine - Tucson)

O pesquisador Janko Nikolich-Zugich, que coordenou o estudo (Foto: UA College of Medicine - Tucson)

Os cientistas acreditavam que, por não ter cura, o CMV consumia recursos do organismo -- que ficava constantemente debilitado com a presença do vírus. Com o estudo em camundongos, no entanto, o contrário foi observado: o sistema imune se fortalece.

 

"Nós assumimos que o vírus tornaria os ratos mais vulneráveis ​​a outras infecções. O CMV estava consumindo recursos e mantendo o sistema imunológico ocupado", disse Smithey.

 

Pesquisadores planejam continuar estudos com o CMV para ver de que maneira exatamente o vírus CMV atua no sistema imunológico.

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Saúde

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.