Gazeta de Amambaí


Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017 às 12:34

Nova cepa de vírus da gripe aviária tem potencial para pandemias, diz pesquisa

Vírus H7N9 foi primeiramente identificado na China em 2013 e matou 40% dos infectados. Pesquisadores identificaram que vírus está mais suscetível a adaptações para transmisssão entre humanos.

Cientistas demonstraram que uma nova cepa do vírus da gripe aviária, o H7N9, identificada pela primeira vez em 2013 na China, é capaz de se replicar eficientemente nos pulmões de animais e são transmitidos facilmente através de gotículas respiratórias emitidas durante um espirro, por exemplo.

Os achados, segundo os pesquisadores, também indicam que o H7N9 está mais próximo de adquirir adaptações para ser transmitido entre humanos e, por isso, têm potencial pandêmico. Também são necessárias poucas cópias do vírus para que as infecções ocorram.

Os achados foram publicados na revista "Cell Host & Microbe" na quinta-feira (19). Desde a primeira identificaçao do vírus, em 2013, um total de 1562 casos foram confirmados. Cerca de 40% das pessoas confirmadas com a infecção do vírus H7N9 da Ásia morreram.

A maioria das infecções humanas com vírus H7N9 ocorreram após a exposição a aves e a maioria dos pacientes apresentou doença respiratória grave, como pneumonia.

"Até agora, não foi documentada transmissão sustentada de vírus H7N9 ou H5N1 entre seres humanos. No entanto, uma maior adaptação desses vírus a humanos pode resultar em vírus transmissíveis com potencial pandêmico", diz Yoshihiro Kawaoka, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade de Tóquio e Universidade de Wisconsin-Madison (EUA).

 

"Nossos dados sugerem que os vírus H7N9 podem estar mais próximos de adquirir transmissão eficiente em seres humanos e, portanto, têm maior potencial pandêmico do que os vírus H5N1".

 

Kawaoka e sua equipe avaliaram a capacidade de replicação, patogenicidade e transmissibilidade da cepa H7N9 isolada em casos fatais em humanos.

Eles demonstraram que o vírus se replicou de forma eficiente em células humanas, de camundongos, de furões e de primatas não-humanos. Eles viram também que a quantidade necessária de vírus para iniciar as infecções é pequena, o que aumenta o seu poder de transmissão.

 
Dono de uma granja em Yuxin, na província chinesa de Zheijang, lamenta o surgimento do vírus H7N9, uma nova variação da gripe aviária. O mercado granjeiro local foi seriamente afetado após a divulgação de mortes pela gripe. (Foto: William Hong/Reuters)Dono de uma granja em Yuxin, na província chinesa de Zheijang, lamenta o surgimento do vírus H7N9, uma nova variação da gripe aviária. O mercado granjeiro local foi seriamente afetado após a divulgação de mortes pela gripe. (Foto: William Hong/Reuters)

Dono de uma granja em Yuxin, na província chinesa de Zheijang, lamenta o surgimento do vírus H7N9, uma nova variação da gripe aviária. O mercado granjeiro local foi seriamente afetado após a divulgação de mortes pela gripe. (Foto: William Hong/Reuters)

"O fato de que os animais expostos a gotas respiratórias sucumbiram às infecções sugere um aumento substancial na patogenicidade dos vírus H7N9 em mamíferos", pontua o pesquisador.

 

"O trabalho é muito preocupante em termos das implicações do que o H7N9 poderá ter ", disse Michael Osterholm, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Minnesota, à Reuters.

 

Kawaoka e sua equipe também avaliaram a eficácia de medicamentos anti-influenza. Eles descobriram que os medicamentos apresentaram eficácia limitada contra esses vírus nos modelos animais.

Um tratamento possível, testaram, são os medicamentos que bloqueiam uma proteína "a polimerase viral". Chamado de favipiravir, testes sugeriram que o medicamento pode ser uma opção de tratamento eficaz.

Fonte: G 1

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Saúde

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.