Gazeta de Amambaí


Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017 às 02:03

OMS diz que empresas alimentares "envenenam" pessoas e destaca combate à obesidade

Em evento no Uruguai, Tedros Adhanom defende que países devem ter coragem para promover políticas de prevenção contra as doenças não-transmissíveis, classificação que inclui condições letais como o câncer.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, destacou o combate à obesidade na conferência mundial da entidade sobre doenças não-transmissíveis, que acontece até sexta-feira (20) em Montevidéu, no Uruguai.

Condições como o câncer e doenças cardiovasculares estão entre as mais letais doenças não-transmissíveis (DNTs), e estudos consistentes colocam a obesidade como um fator de risco para essas enfermidades.

Para Adhanom, “as empresas estão fazendo vista grossa” sobre a questão da obesidade. Ele defendeu a inserção de informações mais claras nos rótulos dos produtos, chamando a atenção para a alta taxa de açúcar.

“Quando tomaremos posição e pressionaremos os fabricantes desses produtos?”, questionou. De acordo com o diretor-geral, não se deve “fechar os olhos” para “os fabricantes que veem as crianças dos países pobres como uma oportunidade de mercado”.

 

“Temos que ganhar as batalhas nas cozinhas, nos restaurantes e nos supermercados. Temos que ter coragem de promover essas políticas”, completou.

Destaque de política do México

O diretor-geral citou dois exemplos de sucesso no combate à obesidade. O México aumentou em cerca de 10% o imposto sobre bebidas açucaradas. Um estudo recente mostrou que o aumento dos preços conseguiu reduzir o consumo no país.

Há cerca de um ano, a OMS lançou uma campanha para o aumento do imposto em cerca de 20% nesses produtos.

No Brasil, em agosto deste ano, o Instituto Nacional do Câncer defendeu a medida pela primeira vez – o pedido surge após indicadores apresentados pelo Ministério da Saúde mostrarem que, nos últimos 10 anos, a prevalência da obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016. O excesso de peso também subiu de 42,6% para 53,8% no período.

Evento

Mais de 30 ministros da saúde, diretores da OMS e especialistas em doenças não-transmissíveis (DNTs) estão reunidos durante os próximos três dias na conferência no Uruguai. Após a troca de experiências de sucesso do tratamento das principais enfermidades, a instituição internacional de saúde irá divulgar um plano de combate às doenças, com passos e estratégias a serem seguidos por todos os países.

O ministro da Saúde Ricardo Barros, assim como Vera Luiza da Costa e Silva, brasileira chefe do Secretariado da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco na OMS desde 2014, também participam do evento.

Doenças

A OMS destaca quatro principais áreas de enfermidades não contagiosas: câncer, doenças respiratórias, doenças cardiovasculares e diabetes. As DNTs são responsáveis por quase 70% de todas as mortes do mundo. Quase três quartos destes óbitos das DNTs ocorrem em países de baixa e média renda.

As causas dessas doenças, de acordo com a organização, estão diretamente ligadas a quatro fatores de risco: cigarro, sedentarismo, uso abusivo de álcool e alimentação não-saudável.

Fonte: G 1

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Saúde

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.