Gazeta de Amambaí


Quinta-Feira, 27 de Setembro de 2018 às 15:02

Rebanho bovino de MS encolhe 1,5%, mas ainda é quarto maior do país

Estado tinha 21,5 milhões de cabeças de bois em 2017, segundo Pesquisa da Pecuária Municipal, do IBGE; líder no estado, Corumbá e vice-campeão nacional, com 1,9 milhão de cabeças

O rebanho bovino de Mato Grosso do Sul encolheu 1,5% no ano passado em comparação a 2016, mas o estado continuou, pelo sétimo ano seguido, como quarto maior produtor de bois do Brasil.

Conforme a PPM (Pesquisa de Pecuária Municipal) relativa a 2017 e divulgada hoje (27) pelo IBGE, Mato Grosso do Sul tinha até 31 de dezembro do ano passado 21,5 milhões de cabeças de bovinos, quantidade 1,5% menor que a de 2016.

Mesmo com essa queda, o rebanho bovino sul-mato-grossense continuou em quarto no país, atrás de Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais, situação que se repete desde 2010, quando o estado ficou em terceiro no país.

O município de Corumbá detém o maior rebanho bovino de Mato Grosso do Sul e o 2º maior do país, com quase 1,9 milhão de cabeças. A liderança foi de São Félix do Xingu (PA).

Ribas do Rio Pardo é o 2º no estado com 1,1 milhão de cabeças e o terceiro no país. Em terceiro aparece Aquidauana com 800,8 mil, em quarto está Porto Murtinho com 691 mil e em quinto Três Lagoas, com 629,3 mil bovinos.

Vaca leiteira – A pesquisa do IBGE também apontou queda no rebanho de vacas leiteiras em Mato Grosso do Sul. 2017 o estado tinha 230.184 animais, 11,1% menos que o efetivo do ano anterior. Paranaíba, com 13.750 cabeças, tem o maior número de vacas ordenhadas em MS, com aumento de 48,5% em relação a 2016.

Mesmo com a queda no número de vacas ordenhadas, a produção de leite cresceu no estado. Foram 345,5 milhões de litros no ano passado, 2,4% a mais do que no ano anterior. Itaquiraí, na região sul do estado, é o maior produtor de leite sul-mato-grossense, com 26 milhões de litros produzidos no ano passado.

Em todo o país, segundo o IBGE, a produção de leite foi de 33,5 bilhões de litros, com retração de 0,49% em relação a 2016. Minas Gerais continuou como maior produtor, com 8,9 bilhões de litros – 26,6% da produção nacional.

 
Gráfico mostra que tilápia domina piscicultura em MS (IBGE)Gráfico mostra que tilápia domina piscicultura em MS (IBGE)

Demais áreas – o levantamento do IBGE mostra que em 2017 tiveram crescimento os rebanhos de suíno (13,1%) e galináceos (4,22%) em Mato Grosso do Sul. Os demais rebanhos apresentaram redução: bubalino (-4,60%), equino (-21,5%), caprino (-18,8%), ovino (-31,6%), e codornas (-0,12%).

O efetivo estadual de equinos foi de 278.482 cabeças em 2017. Assim como na produção de bovinos, Corumbá tem o maior efetivo de equinos do país, com 28.000 cabeças. Mesmo com queda de 21,5% em relação a 2016, o município pantaneiro se manteve como líder no ranking nacional.

Na piscicultura, a produção total foi de 18 mil toneladas, 2,6 vezes mais do que a produção no ano anterior. A produção de tilápia quase triplicou e representou 87,40% da produção estadual da piscicultura, com 15,8 mil toneladas.

Suínos – Sétimo maior do país, o rebanho de suínos aumentou 13,1% em relação a 2016 e chegou a 1,4 milhão de cabeças. Glória de Dourados (236.765 cabeças) e São Gabriel do Oeste (232.500 cabeças) tiveram os maiores efetivos de suínos no ano passado.

Mel – Outro destaque na pesquisa do IBGE foi o crescimento de 38,6% na produção de mel. Mato Grosso do Sul teve produção de 1,16 mil toneladas. O estado tem a 10ª maior produção do país.

O valor da produção foi de R$ 13,9 milhões, 55,2% superior à de 2016. O município sul-mato-grossense com maior produção de mel foi Três Lagoas, com 160 toneladas.

Os outros grandes produtores de mel são Brasilândia (120 toneladas), Chapadão do Sul (85), Terenos e Jardim (50 toneladas) e Guia Lopes da Laguna (48,5 toneladas).

Fonte: Campo Grandenews

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Rural

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.