Gazeta de Amambaí


Sexta-Feira, 06 de Abril de 2018 às 16:02

MS redobra vigilância do gado para obter área livre de aftosa

OIE concederá em maio certificação de zona livre da doença com vacinação

Redobrar a vigilância na região de fronteira e manter os bons índices de cobertura vacinal do rebanho são os principais desafios de Mato Grosso do Sul para alcançar o status de estado livre de febre aftosa sem vacinação. O projeto de receber o selo, hoje concedido a somente uma unidade da federação (Santa Catarina), ficou um pouco mais próximo com a conquista, pelo Brasil, do título de zona livre da doença com vacinação – a entrega da certificação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) será em maio e foi comemorada ontem, durante o Dia A: Plena Erradicação da Febre Aftosa no Brasil.

De acordo com o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Maurício Saito, o novo status sanitário brasileiro representa um primeiro caminho para que o produtor possa, também, ter reflexo produtivo e econômico sobre a atividade.

“É necessário que a gente atinja, no médio e no longo prazo, uma vantagem econômica a partir do momento em que o País passa a ser livre de aftosa sem vacinação. Em Mato Grosso do Sul, assim como em todo o Centro-Oeste, nós tivemos problemas recentes e que foram muito bem combatidos pelo setor produtivo daqui do nosso estado. Nós temos de, agora, acompanhar a evolução, por meio desse programa de erradicação de febre aftosa nacional, para que tenhamos, nos próximos cinco anos, todo o trajeto cumprido e tenhamos esse status livre de febre aftosa sem vacinação”, ressaltou. 

Fonte: Correio do Estado

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Rural

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.