Gazeta de Amambaí


Quinta-Feira, 09 de Novembro de 2017 às 19:02

Melhoramento genético produz leite que gera menos alergia

Alérgicos à proteína do leite serão beneficados

Estudos de melhoramento genético da Embrapa Gado de Leite em parceria com as associações de criadores das raças Gir Leiteiro e Girolando busca reduzir a alergia às beta-caseínas, que correspondem a 30% das proteínas do leite. Uma nova característica genética, adquirida através de testes de progênie das ração e usados na fertilização das vacas, permite a produção do leite chamado de A2. De acordo com pesquisadores da Embrapa, há evidências de que a beta-caseína do leite A2 não causa reações em humanos que possuem alergia a essa proteína.

No Brasil, cerca de 350 mil pessoas são alérgicas à proteína do leite da vaca. Os alérgicos precisam eliminar o alimento das suas dietas e buscar os nutrientes em produtos alternativos. Apesar de não ser indicado para todos as pessoas, o leite A2 será benéfico para muita gente, para o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Marcos Antônoi Sundfeld Gama.

“O leite A2 pode evitar esses transtornos, pois, quando digerido pelo ser humano, não forma a substância chamada beta-casomorfina-7 (BCM-7), responsável por desencadear o processo alérgico”, explica o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Marcos Vinicius G. Barbosa da Silva.

Segundo alguns estudos, há cerca de oito mil anos se produzia apenas o leite A2, mas uma mutação genética nos bovinos levou ao surgimento de animais com o gene para produção de leite A1. Nas raças Holandesa e Pardo-suíça, há uma chance de 50% de produzir leite A2. Já na Jersey chega a 75%. Através da subespécie taurus, somente a raça Gernsey, incomum no Brasil, todos os animais são capazes de produzir a variedade. Por outro lado, 98% dos indivíduos da raça Zebu têm genética positiva para produção de leite A2.

“A alta frequência do alelo A2 na pecuária brasileira é uma vantagem competitiva para nossos produtores explorarem o nicho de mercado que está se formando em torno do produto”, diz Silva.

Ainda de acordo com os pesquisadores da Embrapa, a informação dos sumários dos touros facilitará o processo de melhoramento genético dos rebanhos, mas destacam que as vacas precisam ser genotipadas.

“Se uma vaca tem o genótipo A2A2, é garantido que ela passará para a progênie o alelo A2. Similarmente, uma vaca A1A1 passará o alelo A1. Para uma vaca A1A2, há 50% de chances de passar para a progênie qualquer um dos alelos. A genotipagem da vaca é feita com a coleta de tecido biológico do animal, que pode ser uma amostra de sangue ou de pelo. A amostra é enviada para um laboratório especializado que apresentará o resultado ao produtor de acordo com o tipo: A1A1, A1A2 e A2A2. Depois, basta escolher o sêmen adequado, cujas informações estão presentes nos sumários dos touros gir leiteiro e girolando”, relatou João Cláudio do Carmo Panetto.

Fonte: Agrolink

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Rural

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.