Gazeta de Amambaí


Quinta-Feira, 30 de Novembro de 2017 às 06:34

PSDB não está mais na base do governo, diz Padilha

Chefe da Casa Civil afirmou que o partido deve anunciar a saída da base no dia 9, e caberá ao presidente Michel Temer decidir se vai manter os ministros tucanos.

O ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou a jornalistas nesta quarta-feira (29) que considera o PSDB fora da base do governo. Ele destacou que a permanência de ministros tucanos no primeiro escalão do governo cabe ao presidente Michel Temer.

Padilha falou sobre a situação do PSDB e dos demais partidos da base do governo durante apresentação de um balanço de ações propostas para desburocratizar a administração pública.

A saída do partido na base vem sendo discutida no PSDB desde maio, quando a delação da JBS trouxe denúncias contra o presidente Michel Temer. Formaram-se duas alas entre os tucanos: a dos favoráveis a continuar na base do governo e aqueles que defendem a saída. Dirigentes da sigla disseram que a decisão final vai sair na convenção nacional, no próximo dia 9.

Na única troca até agora da reforma ministerial, Temer substituiu no Ministério das Cidades o ex-ministro e deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) pelo deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO). Outros três ministros do PSDB permanecem no governo: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Luslinda Valois (Direitos Humanos) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores).

Questionado se a intenção do governo era manter uma aliança com o PSDB para a eleição de 2018, Padilha afirmou que o Planalto busca costurar uma coalizão com os partidos que sustentam a gestão de Michel Temer no Congresso. Em seguida, o ministro disse que o PSDB está fora desse grupo. “O PSDB não está mais na base do governo”, afirmou. "O PSDB já disse que vai sair dia 9", disse o ministro.

Padilha também foi questionado sobre as eventuais saídas dos ministros do PSDB remanescentes no governo. Para Padilha, cabe a Temer decidir. O chefe da Casa Civil ponderou que é possível ter ministros do PSDB no governo, mesmo com o partido fora da base.

Os jornalistas quiseram saber ainda sobre uma possível tentativa de reeleição de Temer na disputado do ano que vem. Segundo o ministro, o presidente tem dito que não tem pretensão de concorrer na eleição de 2018. O objetivo é "cumprir bem" o mandato e "colocar o Brasil nos trilhos", disse Padilha.
Eliseu Padilha afirma que não há constrangimento de ministros permanecerem no governo

Reforma da Previdência

Padilha também abordou na conversa com jornalistas a articulação do governo para aprovar a reforma da Previdência no Congresso Nacional. O ministro frisou que conta com o PSDB na votação.

“Com relação ao PSDB, lá desde o início em que esteve participando integralmente do governo, tinha o compromisso com a reforma da Previdência e não me consta que eles tenham deixado de ter esse compromisso”, declarou.

Padilha afirmou que a área política do governo deve iniciar na próxima semana a contagem dos votos entre os deputados das bancadas aliadas na Câmara. O ministro ressaltou que o governo trabalha para que os deputados votem a proposta de emenda à Constituição em dois turnos ainda em 2017, mas a pauta cabe ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Nossa expectativa é ver se conseguimos ter já na semana que vem a primeira votação”, afirmou.

Fonte: G 1

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Política

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.