Gazeta de Amambaí


Sábado, 13 de Maio de 2017 às 15:02

Defensores do impeachment elogiam rumo da economia, mas veem "falta de liderança" em Temer

 

 

Michel Temer em foto de 10 de maioDireito de imagemPRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

 

 

O presidente Michel Temer completa, nesta sexta-feira, um ano no comando do país - ele assumiu o cargo em 12 de maio de 2016, quando o Senado aprovou a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, primeiro interinamente e, depois de 31 de agosto, em definitivo.

Desde então, Temer tenta deixar sua marca na história do país com a superação da crise econômica e a aprovação de um conjunto de reformas controversas, que incluem mudanças profundas nas regras da Previdência e nas leis trabalhistas.

Se por um lado o peemedebista conseguiu articular uma ampla base de apoio no Congresso para fazer avançar essas propostas, por outro, sua popularidade, que já era baixa quando assumiu, só fez encolher no último ano.

A BBC Brasil conversou com personalidades e políticos que apoiaram o impeachment da presidente Dilma Rousseff para saber se estão satisfeitos com a troca de governo.

As opiniões foram divergentes, mas prevaleceu um apoio à condução da política econômica e à agenda de reformas, acompanhado de uma crítica à "falta de capacidade de liderança" de Temer.

Segundo último levantamento Ipsos, apenas 4% dos brasileiros aprovam o governo do peemedebista. Para a maioria dos entrevistados nessa reportagem, a alta rejeição ao presidente resulta da sua própria inabilidade de ser um "estadista" e se colocar como "líder da nação".

"Eu acho que o Temer tem uma visão brasiliense do país, uma visão do Brasil como a Praça dos Três Poderes. Ele está preocupado com o Congresso, ele não está preocupado com a sociedade, esse é um grande defeito", afirma o jurista Miguel Reale Jr., um dos autores do pedido de impeachment que resultou na cassação de Dilma.

 

 

 

 

"Então, há um divórcio com a sociedade porque o governo se isola e não fala com a sociedade. Nunca ninguém que fez reforma trabalhista ou previdenciária teve popularidade, mas ele teima em não falar com a nação, em não falar com o povo, não falar com os jovens. Isso aumenta sua impopularidade" acrescenta.

 

 

Câmara durante votação do impeachment, em 2016Direito de imagemAG. CÂMARA
Image captionImpeachment foi aprovado no Senado há um ano, em 12 de maio de 2016

 

 

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), ex-petista que votou pelo impeachment de Dilma, faz avaliação semelhante.

"O Temer se preocupa em aprovar seus projetos no Parlamento, mas não parece se preocupar com a opinião pública. Termina criando um problema muito grande, que é o seu isolamento em relação ao povo", acredita.

"Eu não tenho a menor duvida de que a gente precisa da reforma da Previdência, mas lamento que ela esteja sendo feito sem convencermos a opinião pública. Falta estadismo, que é carisma, convicção, desejo de estar fazendo o certo do lado da opinião pública. Uma personalidade que o Temer não tem", disse ainda.

Para o senador, o fato de vários ministros e aliados importantes do governo no Congresso enfrentarem acusações de corrupção também contribui para reduzir o apoio da população ao seu governo.

"Para ter credibilidade, é fundamental estar rodeado por pessoas acima de qualquer suspeita, e ele fez exatamente o contrário. Eu acho lamentável e um grande equívoco dele".

Já a advogada Janaina Paschoal, outra autora da denúncia que resultou no impeachment de Dilma, também criticou a falta de rigor de Temer com aliados suspeitos de corrupção, mas elogiou sua disposição em enfrentar debates difíceis no campo econômico.

"Eu entendo que ele está promovendo reformas necessárias, porém peca por não conseguir explicar a necessidade dessas mudanças. O presidente não tem perfil para estar no 'front', ele é um homem de bastidor. Creio que por isso concorreu a vice", ponderou.

 

 

Janaina PaschoalDireito de imagemAG CÂMARA
Image captionJanaina Paschoal foi autora de um dos pedidos de impeachment

 

 

"Ninguém pode dar o que não tem. Ele está fazendo o que pode, conforme o seu perfil. Apesar das dificuldades, não fugiu às responsabilidades e assumiu o governo em razão do impeachment", ressalta.

'Mérito pessoal'

O historiador Boris Fausto, por sua vez, também vê "mérito pessoal" na decisão de Temer em priorizar as reformas econômicas, principalmente porque os "frutos (impactos positivos dessas mudanças) só serão colhidos mais tarde e ele não vai se aproveitar disso".

"As coisas boas do governo estão concentradas no plano econômico, que era justamente o calcanhar de Aquiles do governo Dilma", acredita. "Temer tem muita habilidade para lidar com o Congresso onde a imensa maioria só pensa nos seus próprios interesses. Talvez ele consiga fazer coisas onde outros tropeçaram. Agora, líder, não vamos exagerar, ele nunca vai ser", disse também.

Apesar dos elogios na área econômica, Fausto faz duras críticas ao tratamento dado pelo atual governo aos índios e à preservação ambiental. O setor ruralista ganhou poder após a troca de presidentes e hoje tem um dos seus integrantes, o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), como ministro da Justiça, justamente a pasta responsável pela política indigenista.

 

 

 

 

"Nisso, o governo é simplesmente lamentável, vergonhoso. Está fazendo o jogo dos piores setores da propriedade da terra. Eles estão querendo impedir a demarcação a todo custo das terras indígenas. É um retrocesso bastante grave que não se viu nem mesmo no governo Dilma, que tinha muito pouco interesse nessas questões porque estava deslumbrada com o desenvolvimento do país", destacou.

O historiador considerou negativo também a pequena presença de mulheres nos cargos de alto escalão do governo. Quando Temer assumiu, montou uma equipe ministerial 100% masculina. Após críticas, nomeou duas ministras: Grace Mendonça para a Advocacia-geral da União e Luislinda Valois para a pasta de Direitos Humanos.

 

 

Temer em evento em Brasília no dia 8Direito de imagemAFP
Image caption'Eu apoiaria ainda hoje o impeachment, não porque a situação atual seja boa, nem porque eu aposte muito no governo Temer, mas porque na minha opinião o governo Dilma nos levava a uma catástrofe, sobretudo no plano econômico', disse Boris Fausto

 

 

"Não é que se deva colocar mulheres de qualquer maneira (no governo) para preencher cota, mas há número suficiente de mulheres que atendem aos requisitos de uma boa gestão. Há um conservadorismo extremo no governo, (a falta de mulheres) é algo expressivo de uma coisa retrógrada", afirmou.

Apesar disso, Fausto disse que não muda sua opinião sobre o impeachment. "Eu apoiaria ainda hoje o impeachment, não porque a situação atual seja boa, nem porque eu aposte muito no governo Temer, mas porque, na minha opinião, o governo Dilma nos levava a uma catástrofe, sobretudo no plano econômico", disse.

'Trocamos seis por meia dúzia'

Assim como Fausto, nenhum dos entrevistados pela BBC Brasil se disse arrependido de apoiar a cassação de Dilma. Quem chegou mais perto disso foi o deputado Julio Delgado (PSB-MG), que criticou o uso de "velhas práticas políticas" pelo governo Temer, como o "toma lá da cá de cargos". Parte da bancada do seu partido na Câmara tem votado contra propostas do governo, embora o PSB comande o Ministério de Minas e Energia, com Fernando Bezerra Filho.

Hoje, Delgado considera que parte dos que apoiaram o impeachment visavam apenas chegar ao poder depois de muito tempo fora do governo federal, como DEM e PSDB.

"Se eu soubesse que as atitudes seriam essas que estão sendo adotadas hoje, não teria votado pela abertura do processo de impeachment. Eu votei numa outra expectativa e não me arrependo de ter votado. O principal motivo que votei a favor é que Dilma não tinha mais capacidade de continuar governando o país naquele momento", disse.

"O sentimento que eu tenho um ano depois é que trocamos seis por meia dúzia. E por que o presidente Temer mostra uma incapacidade de governo? Porque as práticas continuam as mesmas. O toma lá da lá cargos, tira ministério, bota ministério, tira cargo de quem votou contra (as propostas no Congresso), libera emenda para votar a favor", acrescentou.

 

 

CongressoDireito de imagemAGÊNCIA BRASIL
Image captionGoverno Temer tem tentado aprovar reforma trabalhista e da previdência, as duas que mais têm causado protestos da população

 

 

Outro que tem se oposto às reformas do governo é o deputado federal Paulinho da Força, presidente do partido Solidariedade e da Força Sindical. Ele diz que o governo Temer "quer botar toda a dívida deixada pelo governo Dilma nas costas dos trabalhadores", sem cobrar sacrifícios de empresários e banqueiros.

Apesar disso, Paulinho descarta deixar o governo. Seu filho, o deputado estadual paulista Alexandre Pereira da Silva (Solidariedade), foi nomeado pelo presidente como superintendente regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em São Paulo.

"Olha, o meu partido ajudou a tirar a Dilma e por isso compôs o governo Temer. Nós vamos continuar contra as reformas. Para sair (do governo), depende dele, nós não vamos pedir para sair, nós pedimos para entrar", afirmou.

A BBC Brasil questionou o governo se queria responder às críticas, mas a assessoria do presidente não retornou até a publicação dessa reportagem.

Fonte: BBC Brasil

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Política

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.