Gazeta de Amambaí


Sábado, 28 de Julho de 2018 às 11:39

Estabelecimento comercial é alvo de golpistas em Amambai

Em outra ocorrência, comerciante foi notificada de execução fiscal por multa contra empresa que estaria em seu nome sem que ela soubesse da existência.

Clique na Imagem para ampliá-la

A lâmina de cheque usada pelos supostos golpistas para aplicar o estelionato contra o mercado em Amambai. (Foto: Vilson Nascimento)

Vilson Nascimento

Dois comerciantes procuraram a Polícia Civil no decorrer dessa semana, em Amambai, para denunciarem terem sido vítimas de golpistas.

Em um dos casos a vítima amargou um prejuízo de R$ 2 mil ao vender produtos e receber em cheque de conta cancelada.

Já no outro a vítima teria relatado ter recebido um aviso de execução fiscal federal por uma multa de mais de R$ 3 mil aplicada a uma empresa em seu nome no estado do Paraná sem que a mulher se quer soubesse da existência de tal empresa.

Primeiro caso

No primeiro caso, um casal abordo de um Gol, cor prata, placas de Água Clara-MS teria chegado a um marcado da cidade dizendo trabalhar em uma determinada fazenda no município, em Amambai.

Eles realizaram uma compra de gêneros diversos no valor de R$ 2 mil e pagado a mercadoria com um cheque de uma agência bancária de Lins, estado de São Paulo, preenchido no mesmo valor da compra.

Acontece, segundo a polícia, que ao tentar descontar o cheque, que havia sido preenchido com data de 20 de julho de 2018, ou seja, sexta-feira da semana passada, o comerciante descobriu que tal lâmina de cheque pertencia a uma conta bancária encerrada a pelo menos três anos atrás.

De acordo com a polícia, no mesmo estabelecimento o casal teria tentado ampliar ainda mais o golpe, pedindo para que a direção do mercado trocasse outro cheque no valor de R$ 18 mil, mas o comerciante teria se recusado a trocar.

Segundo caso

No outro caso uma comerciante de 34 anos, procurou a Delegacia de Polícia Civil em Amambai para denunciar ter sido vítima de um golpe praticado em seu nome no estado do Paraná.

Segundo a vítima ela recebeu uma notificação de execução fiscal federal por uma multa no valor de R$ 3.469,71 aplicada pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) contra sua empresa com sede na cidade de Guaíra, no estado do Paraná.

Acontece, segundo relatou a vítima à polícia, que ela sempre morou em Amambai e em certo período em Campo Grande, capital sul-mato-grossense, mas jamais teve empresa ou autorizou a abertura de empresa em seu nome no estado do Paraná.

Os dois casos foram registrados pela Polícia Civil como estelionato, crime previsto no artigo 171 do Código Penal Brasileiro.

Fonte: A Gazeta News

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Polícia

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.