Gazeta de Amambaí


Quarta-Feira, 01 de Novembro de 2017 às 12:01

5 "efeitos colaterais" da Reforma Protestante de Martinho Lutero

Retrato pintado de Martinho Lutero em museu de Berlim

Direito de imagem

GETTY IMAGES
Image captionMartinho Lutero divulgou duras críticas à Igreja Católica em 31 de outubro de 1517

O 31 de outubro não é apenas o dia em que se celebra o "Halloween" em muitos lugares do mundo. A data marca também o aniversário de 500 anos das "95 teses" escritas pelo teólogo Martinho Lutero (1483-1546), que deram origem à Reforma Protestante.

Os documentos de Lutero dirigiam uma série de críticas à Igreja Católica e provocaram um racha no cristianismo - os ataques do teólogo desencadearam mudanças profundas capazes de surpreender até mesmo os mais familiarizados com esse episódio.

A BBC lista alguns dos "efeitos colaterais" provocados pelo movimento que pulverizou o cristianismo até então monopolizado pelos católicos, mas que vão muito além de ter dado origem às congregações evangélicas.

Portas abertas para mulheres e gays

Pota da igreja de Todos os Santos em Wittenberg, AlemanhaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionIgreja de todos os santos em Wittenberg, Alemanha, onde Lutero teria pregado na porta suas "95 teses"

Martinho Lutero condenou o celibato dos padres ao se casar com a ex-freira Katharina von Bora em 1525. A união dos dois estabeleceu as bases de uma reforma dentro da Reforma Protestante.

Denominações como os metodistas, por exemplo, passaram a aceitar pastoras há mais de 200 anos. Mais recentemente, apesar de um enorme protesto das alas mais conservadoras, a Igreja Episcopal nos EUA começou a ordenar sacerdotes LGBT.

Martin Luther King JrDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionMartin King ganhou Luther no nome em homenagem a Martinho Lutero

Inspiração para o Movimento dos direitos civis nos EUA

Em 1934, o pastor americano Martin King visitou a Alemanha para participar do 5º Congresso da Aliança Batista Mundial em Berlim.

Quando ele voltou para casa, decidiu adicionar o nome Luther (de Lutero) no próprio nome e também ao nome do filho dele, em homenagem ao cristão rebelde do século 16.

O filho era Martin Luther King Jr., que se transformou numa das personalidades mais influentes do século 20 e foi condecorado com o prêmio Nobel da Paz.

Ligações nazistas

Apesar de o antissemitismo existir na Alemanha muito antes da ascensão dos nazistas ao poder, poucas pessoas sabem que Martinho Lutero é apontado como um dos responsáveis pelo sentimento hostil e preconceituoso contra judeus.

Até 1536, Lutero era um entusiasta em tentar converter judeus em cristãos como parte da Reforma. Mas diante da dificuldade de fazer com que eles trocassem de religião, publicou em 1543 uma resposta ao fracasso pessoal dele intitulada "Sobre os judeus e suas mentiras".

Trata-se de um documento de 65 mil palavras no qual Lutero não apenas desqualifica judeus, como também incita a perseguição deles, incluindo queimar sinagogas e impor a rabinos o trabalho forçado.

Johan Sebastian Bach
Image captionAs ideias de Martinho Lutero inspiraram o compositor Bach, ainda que um século depois

'Eu serei Bach'

Como parte de seu conjunto de reformas, Lutero defendeu mudanças nas missas e celebrações para dar mais espaço às músicas cantadas na Igreja, definindo os corais como parte integrante da experiência espiritual.

A decisão levou a uma evolução dos corais na Alemanha. As famosas cantatas Johan Sebastian Bach (1685-1750) foram extraídas da filosofia de Lutero, ainda que mais de 100 anos depois.

'Separatismo medieval'

Por ter desafiado a Igreja Católica, Martinho Lutero foi excomungado pelo Papa Leão 10. Mas a decisão de expulsá-lo da Igreja Católica não foi suficiente para impedir que as ideias de Lutero ganhassem adeptos.

Pintura mostrando a guerra dos 30 anos
Image captionAdeptos das ideias Martinho Lutero se envolveram em conflitos que resultaram em guerras como a "dos 30 anos" travada entre uma série de nações europeias

O apoio veio tanto dos mais ressentidos com os privilégios do clero quanto dos poderosos príncipes alemães. A monarquia alemã estava ansiosa para desafiar a hegemonia de Carlos 5º, imperador do Sacro Império Romano-Germânico, um complexo multiétnico de territórios na Europa Central.

O Sacro Império Romano-Germânico acabou polarizado entre nacionalistas e religiosos, o que gerou conflitos armados como a Guerra dos Trinta Anos (1618-48). Essas disputas promoveram a fragmentação gradual do império, que acabou com a dissolução formal em 1806.

Fonte: BBC Brasil

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Internacional

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.