Gazeta de Amambaí


Terça-Feira, 17 de Outubro de 2017 às 10:02

Arqueólogos descobrem "anfiteatro perdido" em local emblemático da Terra Santa

 

 

Anfiteatro recém-descoberto

Direito de imagem

EPA
Image captionLocal está totalmente preservado, apesar de ter sido criado há pelo menos 1,8 mil anos

 

 

Arqueólogos israelenses anunciaram uma descoberta histórica num dos lugares mais sagrados, emblemáticos e disputados da Terra Santa. Eles revelaram um anfiteatro romano de mais de 1,8 mil anos de idade, oito metros abaixo do famoso Muro das Lamentações - visitado por mais de 3 milhões de pessoas por ano, na Cidade Velha de Jerusalém.

As escavações também expuseram mais um pedaço do Muro em si que estava encoberto havia pelo menos 1,7 mil anos - soterrado provavelmente por um terremoto.

O Muro das Lamentações é considerado o ponto mais sagrado para o judaísmo, mas também é reverenciado por cristãos e fica adjacente à Esplanada das Mesquitas (ou Monte do Templo, para os judeus), o terceiro local mais sagrados para os muçulmanos.

O Muro é que o restou da muralha de contenção da estrutura construída por Herodes (que reinou na Judeia de 37 a.C. até 4 d.C.), para sustentar o Segundo Templo judaico, destruído pelos romanos em 70 d.C. Hoje, no mesmo ponto, está o Santuário da Rocha (Al-Haram Al-Sharif), com sua famosa cúpula dourada.

Oito níveis do Muro das Lamentações foram desenterrados pelos arqueólogos. Estavam totalmente preservados, apesar de terem passado milênios soterrados. O trecho fica abaixo do chamado "Arco de Wilson", localizado no canto esquerdo do atual Muro conhecido pelos turistas.

O "Arco de Wilson" era uma das passagens pelas quais, na época de Jesus Cristo, há 2 mil anos, moradores de Jerusalém e visitantes podiam subir até o Monte do Templo. Originalmente, tinha 13 metros de altura.

O anfiteatro romano com 200 assentos - pequeno em comparação com outros da região, como em Cesareia - foi descoberto próximo ao Muro, confirmando os relatos de historiadores da época, como Flávio Josefo (37 d.C.-100 d.C.), de que havia uma construção como essa adjacente à muralha. Também foram desencavados vasos de cerâmica, moedas e elementos arquitetônicos.

Existência descrita

As primeiras escavações arqueológicas no local foram feitas no século 19 - em 1864, o arqueólogo britânico Charles William Wilson descobriu o arco que leva seu nome.

Mas Wilson não conseguiu revelar o anfiteatro que era descrito por historiadores como Flávio Josefo e por fontes do período pós-destruição do Segundo Templo, época em que os romanos trocaram o nome de Jerusalém para Aelia Capitolina.

 

 

Muro das LamentaçõesDireito de imagemEPA
Image captionEscavações na Cidade Velha de Jerusalém causam polêmica com palestinos, que reivindicam essa região como parte de seu Estado

 

 

"Da perspectiva dos pesquisadores, é uma descoberta sensacional, uma verdadeira surpresa", diz o arqueólogo Joe Uziel, da Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI). "Nosso objetivo era datar o Arco de Wilson, mas não poderíamos imaginar que solucionaríamos um dos maiores mistérios de Jerusalém: o anfiteatro perdido."

Outro detalhe interessante é o fato de que, segundo os arqueólogos, o pequeno anfiteatro - do tipo que os romanos chamavam de "odeon" - nunca foi terminado e a construção foi abandonada por algum motivo, talvez por causa da revolta judaica de Bar Kochba (132 a 135 d.C).

Palestinos condenam escavações

As escavações israelenses na Cidade Velha de Jerusalém são criticadas pelos palestinos, já que toda essa área esteve sob controle jordaniano até 1967, quando passou a mãos israelenses durante a Guerra dos Seis Dias.

Os palestinos afirmam que toda a parte Oriental de Jerusalém (onde fica a Cidade Velha) ocupada por Israel pertence a eles como parte de um Estado palestino independente.

Já para os israelenses, a Cidade Velha - e toda Jerusalém Oriental - é parte indivisível de Israel, tendo sido anexada por lei em 1980. Eles dizem que a cidade nunca fez parte de qualquer nação moderna, já que os jordanianos também haviam ocupado sua parte Oriental depois da Guerra de 1948-49 (pós-criação de Israel) depois de três décadas sob administração britânica.

A disputa por Jerusalém é um dos pontos nevrálgicos do conflito entre israelenses e palestinos.

Uma batalha diplomática tem sido travada em órgãos internacionais. Em julho deste ano, a Unesco adotou resolução jordaniana condenando as atividades arqueológicas de Israel na Cidade Velha, sob acusação de serem ilegais pela Lei Internacional.

O Brasil votou em favor da resolução depois que os jordanianos aceitaram mudar o texto original, que identificava o Monte do Templo apenas por seu nome em árabe, "Aqsa Mosque/Al-Haram Al-Sharif", e se referia ao local como segrado só para muçulmanos.

Alguns palestinos acreditam que as escavações na Esplanada das Mesquitas/Monte do Templo têm como objetivo minar as fundações das mesquitas que existem hoje no local para a eventual construção de um Terceiro Templo judaico.

Recentemente, os Estados Unidos e Israel anunciaram que vão se retirar da Unesco em protesto contra o "viés anti-Israel" da agência da ONU.

Justamente diante dessa batalha diplomática é que autoridades israelenses veem com bons olhos descobertas arqueológicas que confirmem relatos bíblicos ou históricos que comprovam a ligação entro o povo judeu e Jerusalém.

"Uma atrás de outra, as descobertos arqueológicas permitem que nossa geração realmente toque na história antiga e herança judaica do nosso povo, mostrando sua conexão profunda com Jerusalém", disse o rabino do Muro das Lamentações, Shmuel Rabinowitz.

Mas, para o diretor-geral da Autoridade de Antiguidades de Israel, Israel Hasson, as descobertas no local são muito mais amplas do que a disputa política contemporânea: "Espero que esses achados ajudem-nos a avançar, para que todos possamos nos impressionar com o passado glorioso de Jerusalém".

Fonte: BBC Brasil

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Internacional

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.