Gazeta de Amambaí


Domingo, 24 de Junho de 2007 às 13:23

Só 62 escolas têm nível de país desenvolvido

Em apenas 62 escolas públicas do país, de 18.653 avaliadas (0,33%), os alunos de 5ª a 8ª séries têm uma educação do mesmo nível da média dos países desenvolvidos. Esses colégios são os únicos que alcançaram ou superaram a nota 5,5 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), valor considerado pelo Ministério da Educação como padrão dos países desenvolvidos --e a meta a ser alcançada por essas séries em 2022.

O Ideb é calculado a partir dos resultados da Prova Brasil e do Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), ambos aplicados pelo ministério nas redes de todo o país, e das taxas de aprovação (que consideram a repetência).

Os números dos primeiros anos do ensino fundamental --1ª a 4ª série-- não são melhores. Apenas 166 escolas, de um total de 27.951 --o equivalente a 0,59%--, obtiveram nota 6, considerada pelo ministério o parâmetro. A maior parte delas está localizada no Sudeste: 70 em Minas Gerais, 46 em São Paulo e 17 no Paraná.

As duas piores, com nota 0,1 no Ideb, são a escola municipal Esfinge, que fica em Lauro de Freitas, na Bahia, e a Monteiro Lobato, na cidade de Reserva do Iguaçu, no Paraná.

A melhor é a Guiomar Gonçalves Neves, na cidade de Trajano de Moraes, no Rio de Janeiro, Estado que tem também a segunda colocada, em São Sebastião do Alto.

Já a escola paulista mais bem colocada no ranking aparece em terceiro lugar --é a escola municipal Profª Helena Borsetti, na cidade de Matão (305 km de São Paulo).

O resultado das escolas da rede estadual de São Paulo não foi divulgado porque apenas uma amostra dos estudantes participou do Saeb.

Resultado relativo- Para o presidente do Inep (instituto de pesquisas ligado ao MEC), Reynaldo Fernandes, falar em resultado bom ou ruim é algo "relativo". Ele afirmou, contudo, que o fato de a maior parte das escolas estar abaixo dos índices dos países desenvolvidos não é surpreendente, uma vez que o Pisa, avaliação internacional, já mostrava em 2003 o Brasil nas piores colocações dentre 41 países.

Fernandes preferiu enfatizar as metas que vêm com a divulgação dos resultados por escola --para cada uma, há resultados de dois em dois anos, até 2021. As escolas, porém, não são obrigadas a persegui-las, uma vez que estão sob a guarda dos Estados e municípios.

No total, foram avaliadas 55.967 escolas, mas nem todas receberam notas no Ideb.

Plano de Desenvolvimento

Ontem, em solenidade no Palácio do Planalto, o ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou o Plano de Desenvolvimento da Escola, que irá oferecer apoio técnico e financeiro às 5.000 escolas com pior nota no Ideb. Os recursos previstos para o projeto, que faz integra o PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação), são de R$ 30 milhões.


Fonte: Folha Online

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Educação

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.