Gazeta de Amambaí


Sexta-Feira, 06 de Julho de 2018 às 11:02

Iagro alerta SRA para casos de raiva em Amambai

Clique na Imagem para ampliá-la

O presidente do Sindicato Rural de Amambai em reunião com o inspetor regional da IAGRO (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) Israel de Arruda Lobo Neto.

O presidente do Sindicato Rural de Amambai Ronan Nunes da Silva  reuniu-se na manhã desta sexta-feira (6), com o inspetor regional da IAGRO (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal)  Israel de Arruda Lobo Neto, para tratar de um comunicado de alerta.

A IAGRO através de seu inspetor veio comunicar os proprietários rurais dos municípios de Amambai e Coronel Sapucaia, da ocorrência, na região próxima ao Rio Iguatemi, de caso de raiva em bovinos, desta forma esta solicitando, como medida preventiva, a aplicação de vacina antirrábica em todos os animais das propriedades limítrofes ao Rio Iguatemi.

A IAGRO comunica também que estão sendo adotadas todas as medidas sanitárias necessárias ao foco da raiva.

raiva bovina é uma doença transmitida por morcegos que se alimentam de sangue (hematófagos). O vírus da raiva está presente na saliva do Desmodus rotundus (espécie de morcego hematófago mais comum), que contamina o bovino no ato da mordida. Mas a transmissão pode ocorrer no manejo de vacinas vivas e na necropsia de animais contaminados. A incubação do vírus pode ocorrer de 3 a15 semanas. O vírus da raiva não apenas é perigoso para o rebanho bovino como também para outros animais e seres humanos.

Principais sintomas

Assim que infecta sua vítima, o Rabdovírus ataca o sistema nervoso. Em bovinos, os sintomas são: alterações comportamentais, problemas respiratórios, mugido rouco, dilatação das pupilas, salivação com espuma, fezes escuras e secas, além de andar trôpego. Com o avanço da doença, ocorre paralisia dos membros posteriores e anteriores(posteriormente). O óbito do animal ocorre após 4 a 8 dias da manifestação sintomática da doença.

Principais medidas

Além do controle dos morcegos hematófagos (se houver) na região, é essencial realizar a vacinação anual do rebanho. É de fundamental importância vacinar cada animal, inclusive aplicar a dose de reforço (após 20 a 30 dias da primeira dose). A raiva bovina é considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para o homem. Portanto, se houver suspeitas da doença em sua propriedade, dirija-se ao órgão de controle de zoonoses e siga todas as recomendações. A consulta de um médico veterinário torna-se impreterível nesse caso.

Se forem observados animais com esses sintomas, a IAGRO deve ser notificada para que possa fazer coleta de material para exames laboratoriais. Vale ressaltar que esse exame não tem custo para o produtor e que a suspeita ou diagnostico de raiva não ocasiona interdição da ficha sanitária, tampouco o sacrifício de animais sadios.

A IAGRO coloca-se à disposição para os eventuais esclarecimentos que se fizerem necessários.

 

Fonte: Assessoria

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Cidade

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.