Gazeta de Amambaí


Terça-Feira, 03 de Julho de 2018 às 12:00

Amambai está na final da 10ª Olimpíada Nacional de História

A escola estadual Vespasiano Martins é a única escola do MS classificada para a final da Olimpíada

Clique na Imagem para ampliá-la

Equipe do MS classificada para a final ONHB é de Amambai. Da esquerda para direita: Diretora, Erli, alunas, Bruna, Scheila e Karen com o professor de história Carlos. Foto: Raquel Fernandes

Raquel Fernandes

A Escola Estadual Vespasiano Martins está em festa pela primeira colocação do MS na 10ª Olimpíada Nacional em História do Brasil- ONHB. Agora a equipe se prepara para participar da etapa final da ONHB, nos dias 18 e 19 de Agosto, na Unicamp, em Campinas- São Paulo. Ao todo são 7 etapas, sendo 6 on-line e a última presencial.

Coordenados pelo professor de história Carlos Monteiro Alves, a equipe “Luminos”, é formada por três estudantes do 3ª ano do Ensino Médio: Bruna Recalde, Karen Rebeca de Moraes Santana e Scheila Carvalho. De acordo com o professor, a equipe classificada concorreu com 14.384 turmas de todo o Brasil, sendo 113 do Mato Grosso do Sul. As questões e atividades a serem realizadas durante a competição são as mesmas para todas as equipes participantes. “A edição deste ano atingiu recorde de participações, foi a que teve mais inscritos entre as 10 já realizadas e a nossa equipe foi a única convocada do MS para a final.”, comemora o professor.

Nas fases das olimpíadas, os estudantes precisam produzir textos, mapas, corrigir textos de outras equipes e na última etapa, que rendeu a classificação para a final, os estudantes tiveram que produzir um discurso sobre a proposta de reforma da previdência, como se fossem participar de uma sessão do Congresso Nacional.

Em todas as fases, os estudantes desenvolvem as atividades que os transformam em historiadores. “Por exemplo, em uma das etapas, a equipe teve que produzir um mapa do século XVI , que a gente não encontra na internet. Então por meio de poesias, cartas, canções, quadros, capa de jornal os estudantes tiveram que produzir esse mapa”, conta o professor.

Os estudantes participantes

Sheila Carvalho entrou na equipe por curiosidade e a cada fase foi gostando mais da competição. “No começo eu achei que seria muito chato, mas quando você pega as tarefas e tem que parar pra pensar, para ler e produzir, isso nos envolve. É um desafio. A experiência tem sido muito boa”, destaca a aluna.

A aluna Karen, que já havia participado no ano passado da olimpíada, também aprova a experiência. “Eu achei muito divertido participar. Às vezes a gente se estressava, mas no geral é algo divertido que nos ajuda a aprender”.

Bruna Recalde também entrou na equipe por curiosidade e por gostar de história. “Estou muito feliz com o resultado até aqui, ainda é um pouco difícil de acreditar que conseguimos.”, destaca a aluna.

O anúncio do resultado foi recebido na quinta-feira (28) e a diretora Erli Fernandes, compartilha do sentimento da estudante Bruna Recalde. “A emoção é muito grande, estamos com aquela sensação de surpresa e alegria. Projetos como esse são essenciais para o desenvolvimento dos estudantes, que por meio de atividades mais dinâmicas, exploram o trabalho em equipe, a competição saudável e motiva a busca pelo conhecimento.”

A diretora destaca ainda a dedicação do professor de história, Carlos, e das alunas da equipe. “Esse resultado é fruto de um trabalho equipe, especialmente do trabalho do professor, que precisa dedicar um tempo fora do horário de trabalho para conseguir realizar esse trabalho. É um professor dedicado, competente e responsável que abraçou a educação como muitos deveriam estar fazendo. Um dos objetivos da escola é fazer a diferença na vida dos alunos e com esses resultados, a gente comemora o alcance de nossos objetivos.”, comemora a diretora.

Final

A final da 10ª edição da ONHB será realizada nos dias 18 e 19 de agosto, na Unicamp. No primeiro dia (sábado), as equipes realizam a prova dissertativa presencialmente durante a manhã, sem a presença do professor que participam de uma palestra ministrada por um convidado. O resultado é comunicado na manhã de domingo em uma cerimônia festiva onde são distribuídas 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze, de acordo com a pontuação. Os demais recebem medalhas de honra ao mérito.

A ONHB é um projeto realizado pelo Departamento de História da Unicamp. Em 2018, em sua 10ª edição, consolidou-se com uma importante ferramenta de aprendizado do ensino de História. Tem apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e do Programa de Pós-Graduação em História da Unicamp.(Com informações da ONHB)

 

 

Fonte: A Gazeta News

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Cidade

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.